Cirurgia refrativa personalizada X Cirurgia refrativa convencional

Cirurgia refrativa personalizada X Cirurgia refrativa convencional

Engana-se quem pensa que a cirurgia nos olhos é somente estética; este é o aspecto secundário do procedimento. A intervenção visa, prioritariamente, a corrigir a visão e tratar os vícios de refração, conhecidos como miopia, hipermetropia e astigmatismo.

Refração é a mudança de direção de onda (luz, som etc.) ao passar de um meio para o outro. O método, chamado de cirurgia refrativa, é uma especialidade da Oftalmologia que beneficia o paciente que não deseja usar óculos ou lentes de contato.

A mudança pode ser percebida com a melhora na qualidade da visão. Mas nem todas as pessoas podem ser submetidas a esta cirurgia; alguns requisitos devem ser avaliados: idade acima de 18 anos – quando o grau tende a estabilizar –, exames oftalmológicos normais e uma variabilidade de grau pequena. Os sintomas para pacientes com erros de refração podem ser percebidos quando o olho não focaliza adequadamente o objeto e as imagens perdem a nitidez; desconforto ocular, dores de cabeça, lacrimejamento e ardor nos olhos também alertam para o problema.

Tipos de Cirurgia Refrativa:

Convencional

RK (Photo-Refractive Keratectomy ou Ceratectomia foto-refrativa)

A aplicação do laser é feita numa área mais superficial da córnea, após a remoção intraoperatória de uma fina camada de células que a recobre (epitélio). Após a aplicação do laser, é colocada uma lente de contato gelatinosa terapêutica para proteger a superfície tratada, que será retirada em, aproximadamente, cinco dias após a reconstituição completa do epitélio.

LASIK (Laser In Situ Keratomileusis ou Ceratomileusis Assistida pelo Laser)

O laser é aplicado nas camadas intermediárias da córnea após a confecção de um disco superficial de tecido corneano, que é reposicionado sobre a área tratada imediatamente após a aplicação do laser. Em geral, não há necessidade do uso de lente de contato terapêutica no pós-operatório imediato.

O Microcerátomo é o equipamento, com alta precisão, que realiza a confecção do disco corneano do LASIK. Ambas as técnicas, PRK ou LASIK, têm sua correta indicação e levam a resultados semelhantes, no que se refere à correção dos graus.

Laser de femtossegundo

A evolução da tecnologia do laser, associada à transparência natural da córnea, permitiu o desenvolvimento de técnicas com cortes muito precisos através de pulsos ultrarrápidos (femtossegundo), para a criação dos discos no LASIK e de túneis intracorneanos e na colocação de anéis intraestromais. Estes anéis são indicados para regularização do formato anterior da córnea, com melhora da acuidade visual dos pacientes que têm ceratone (uma deformação na córnea).

Esse tipo de laser torna a cirurgia de LASIK mais previsível e segura, pois apresenta grande precisão (milésimo de milímetro) na confecção dos discos corneanos. O laser de femtossegundo também pode realizar cortes programados em cirurgias de transplante da córnea, permitindo um encaixe perfeito entre o tecido doador e receptor, com diminuição do astigmatismo residual pós-operatório e com melhor aproveitamento do tecido saudável.

Lio Facia

Casos selecionados de altos graus de miopia e hipermetropia, em que não há condições de correção pelo laser, podem ser tratados através da colocação dos implantes das lentes intraoculares, chamadas fácicas. Os resultados em longo prazo dos implantes fácicos realizados na Europa, nos Estados Unidos e no Brasil colocam esse procedimento como uma das opções para tratamento de altos graus.

Personalizada

Tratar dois pacientes com a mesma doença de forma igual seria o mesmo que não levar em conta a individualidade de cada um. O mesmo acontece com os olhos que, embora tenham o mesmo vício de refração, apresentam variáveis oculares como diâmetro, curvatura e espessura de córnea, profundidade de câmara anterior, comprimento axial etc.

Os métodos tradicionais de cirurgia refrativa são de alta tecnologia, porém são usados para a correção dos erros de refração sem levar em conta peculiaridades de cada olho. A tecnologia chamada Wavefront (frente de onda) diagnostica e mensura a maioria dos distúrbios da visão com muita precisão e estas informações são utilizadas pelo laser na a execução de um tratamento personalizado para cada olho.

O diferencial desta tecnologia é a correção dos graus levando em conta as características e necessidades de cada olho. Este tipo de cirurgia aumenta a segurança e melhora a qualidade da visão, além de reduzir eventuais dificuldades na visão noturna, como halos e reflexos, representando um avanço tecnológico importante tanto para pacientes quanto para médicos.

Fonte: Revista Veja Bem/CBO (http://www.cbo.com.br/novo/geral/pdf/revista-02.pdf)

 

 

Responder

Seu endereço de e-mail não será publicado.